Inatividade física e doença cardiovascular durante a quarentena

Atualizado: Jul 27

Com a implementação de quarentena em todo o país na tentativa de impedir a propagação da nova doença por coronavírus 2019 (COVID-19), surge um grande problema em relação aos possíveis efeitos deletérios da inatividade física devido às restrições impostas.



De acordo com os regulamentos recentemente estabelecidos pelo governo, por exemplo, é obrigatório que todos os cidadãos permaneçam em casa, a menos que sejam obrigados a circular por razões válidas, como trabalho, saúde, comprar mantimentos ou para auxiliar familiares ou dependentes. Muitas empresas e organizações determinaram o teletrabalho. Todos os eventos e competições desportivas foram suspensos ou cancelados. No entanto, uma exceção importante foi feita para permitir que as pessoas pratiquem desporto e atividades físicas ao ar livre, desde que seja mantido o isolamento social. Isto é um compromisso razoável entre as consequências para a saúde associadas à inatividade física e a necessidade de conter o surto de COVID-19, evitando reuniões sociais e outras formas de contato pessoal.


A Organização Mundial da Saúde (OMS) estabeleceu diretrizes claras sobre a quantidade mínima de atividade física necessária para manter a saúde e a boa forma adequadas. Por exemplo, recomenda-se que adultos com idades entre 18 e 64 anos, a faixa etária mais afetada pelo COVID-19 de acordo com estatísticas recentes, façam atividade física semanal de pelo menos 150 minutos de intensidade moderada ou 75 minutos de intensidade alta ou uma combinação correspondente a intensidade moderada e alta.


A inatividade física tem sido correlacionada com o risco de mortalidade cardiovascular independentemente da idade, sexo e presença ou de doença cardiovascular prévia. Atividade física limitada ou, ainda mais preocupante, incapacidade de sair regularmente de casa como consequência da quarentena estrita podem estar associadas a efeitos metabólicos desfavoráveis que aumentariam drasticamente o risco de muitos distúrbios graves, como diabetes, cancro, osteoporose e doenças cardiovasculares.


A falta de atividade física também pode afetar a saúde mental, que pode ser experimentada em emoções como tristeza, raiva, frustração e/ou irritação. Efeitos deletérios também foram descritos após a interrupção aguda da atividade física, que pode ocorrer após o estabelecimento abrupto de quarentenas.



Durante a quarentena, permanecer-se ativo e manter uma rotina de exercícios físicos será essencial para a saúde mental e física. Felizmente, uma grande variedade de exercícios, como aeróbica ou treino de força guiado por vídeos ou apps, pode ser realizada em casa e deve ser incentivada.



#gastroclinic #atividadefisica #doencacardiovascular #bemestar #saudemental #saudefisica #quarentena #isolamentosocial #covid19 #estilodevida

  • Grey Instagram Ícone
  • Grey Facebook Ícone
  • Ícone cinza LinkedIn
  • Cinzento G + Ícone
  • Cinza ícone do YouTube